sábado, 5 de julho de 2008

Artigo de Sábado 05-07-2008


Tão cães quanto nós

A maldade humana não conhece limites

Em Aveiro, um indivíduo atropelou propositadamente um pequeno cão pertencente a pessoas muito pobres, esmagando-lhe as quatro patas e deixou-o abandonado no local, vangloriando-se do seu feito perante terceiros.

Devido aos fracos recursos económicos dos donos, o animal esteve em sofrimento mais de 24 horas, tendo estes decidido pedir auxílio passadas todas estas horas. Foi de imediato transportado para uma clínica veterinária por uma voluntária mas já não foi possível fazer nada por ele. Faleceu pouco depois.

Tal acto de crueldade choca qualquer pessoa eticamente bem formada e sensível ao sofrimento, independentemente da maior ou menor simpatia que nutra por animais.

A comunicação social desempenha - ou pode desempenhar, se o pretender – um importante papel na formação da consciência ética e cívica dos cidadãos noticiando actos reprováveis como o referido e a que ninguém pode ficar indiferente.

É errado pensar-se que a violência e crueldade contra animais é um problema menor entre os vários problemas sociais e que, por isso mesmo, não deve merecer atenção por parte dos meios dos Media.

Venho deste modo solicitar a todas as pessoas que façam chegar esta terrível barbaridade a todos os órgãos de comunicação social, pedindo que a noticiem, evitando que situações como esta voltem a acontecer. Um acto desta natureza não pode cair no silêncio nem ficar impune.

Eu já o fiz e apelo à vossa consciência e humanismo para que juntem a vossa à minha voz.

5 comentários:

Rute disse...

Que crueldade!!O monstro que fez isso devia ser castigado...

Adoro-vOS Cães disse...

Amigo, fizeste muito bem em escolher este caso para fazer um artigo porque nem há palavras para descrever esta crueldade que tem de ser divulgada de todas as formas.

Eu pensaava que já tinha visto de tudo. =/

sou gato, logo existo! disse...

eu fico doente com estas coisas.... é verdade.
essa criatura (um calhau com olhos, só pode) deveria ser castigada... mas nenhum castigo pagaria o sofrimento causado e a perde de um animal sem maldade e amigo....
fico revoltada...
e quem faz isto a animais tambem o faz a qualquer outro ser humano e pior faz tambem aos proprios familiares...

Anónimo disse...

e justiça popular ainda não pensaram nisso quem conhece essa besta(peço desculpa ás bestas)não é capaz de lhe dar um murro ou então um recado no carro mas feito na pintura e com um prego...aí se eu o conheçece

Anónimo disse...

Mas que tipo de pessoa (projecto semi-acabado de ser humano) faz isto a um pobre animal indefeso?!?!
Este tipo de pessoas são completamente dispensaveis a qualquer sociedade!

Subscrevo a 100% o comentário anterior mas dar-lhe um murro e estragar-lhe o carro era pouco. O murro só se fosse acompanhado de ácido e o recado no carro seria fazer da viatura uma bela fogueira.

Deviam era, com requinte de malvadez, estendê-lo no meio da estrada e fazerem um camião TIR com carga máxima passar-lhe por cima das mãos e dos pés e a seguir regá-lo contínuamente com alcóol etílico nas feridas.
Se o cãozinho fosse meu, lhe tivessem feito isto e eu viesse a saber que era...ui, ui...o autor da proeza que se pusesse a pau...os acidentes estão sempre a acontecer, não é? ;) Não há servicinho que não possa ser mandado fazer à custa de umas dezenas de euritos ;)